TIJOLOS ECOLÓGICOS

Matéria Folha de São Paulo: Máquina para tijolo solo cimento

No dia 19 de abril de 1998, o jornal Folha de São Paulo lançou uma matéria sobre a Sahara Tecnologia. Por ser pioneira no segmento e ter qualidade comprovada, o assunto abordado foi o solo cimento e o tijolo ecológico.

Confira a matéria completa:

TIJOLO VAZADO 
Máquina faz tijolo de solo cimento

free-lance para a Folha

O engenheiro civil Francisco Carlos Aguilar, 40, desenvolveu uma máquina de fabricar tijolos que, de acordo com ele, têm como principal vantagem, em relação ao produto tradicional, a rapidez proporcionada à tarefa de levantamento das paredes.

O aparelho de sua empresa, a Sahara Indústria e Comércio de Máquinas e Equipamentos Ltda., que fica em Ermelino Matarazzo, zona leste de São Paulo, é uma prensa que produz tijolos de solo-cimento, que são encaixáveis e apresentam dois furos por onde passam as instalações elétrica e hidráulica. “A máquina dispensa tanto a queima dos tijolos em fornos como madeira para alimentá-los. O meio ambiente, assim, não fica poluído”, afirma Aguilar. As peças são obtidas da mistura de uma parte de cimento com dez do próprio solo.

A Sahara não fabrica tijolos, mas trabalha com diversos fornecedores responsáveis por essa tarefa. A empresa produz máquinas que fabricam tijolos convencionais e os com furos, em três tamanhos diferentes -pequeno, médio e grande. Mas, de acordo com Aguilar, as vantagens ficam mesmo para esses últimos. “O tipo vazado oferece bom isolamento acústico e térmico.” O aparelho que faz os tijolos pequenos (10 x 20 cm) custa R$ 1.800. O de tamanho médio (12,5 x 25 cm), R$ 2.700, e o grande (15 x 30 cm), R$ 3.750.

Em uma hora de trabalho, três pessoas sem experiência conseguem fabricar até 300 peças. Para cada milheiro de tijolos são gastos, em média, 1.250 litros de terra e três sacos de cimento. Nos fornecedores, o milheiro do tijolo vazado custa R$ 40, enquanto o tijolo comum sai por R$ 70.

O engenheiro diz que uma das principais vantagens do produto é proporcionar rapidez ao trabalho, devido ao encaixe entre as peças. No Salão Internacional de Granito Mármore de 1996, realizado no Expo Center Norte, em São Paulo, o engenheiro fez uma demonstração. Segundo ele, em quatro dias foi erguida uma casa com dois dormitórios, uma sala de estar, uma outra sala acoplada com cozinha e um banheiro. O trabalho foi feito por sete pessoas. A empresa afirma ter ensaios aprovando seus tijolos emitidos pela Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Ele promove um curso gratuito e aberto, que ocorre uma vez por mês na fábrica que fica em frente ao escritório. O objetivo é explicar o funcionamento da máquina. Os alunos aprendem a selecionar a terra e a fabricar o tijolo. Ao lado do escritório da empresa, Aguilar está montando uma fábrica-escola para divulgar a tecnologia. Seu intuito é trocar informações com alunos de cursos como arquitetura e engenharia, além de profissionais da área.
“Tenho contatos com professores da Unicamp, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep).”

Matéria: Máquina faz tijolo de solo cimento
Fonte: Folha de São Paulo
Data: 19 de abril de 1998
Link: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/imoveis/ci19049802.htm